Geral

Nino da funerária São Matheus esclarece os fatos sobre suposto furto de cadáver

Nino relatou que uma irmã da vítima contratou os serviços de uma funerária em Cacoal que contratou a funerária vilhenense para realizar o transporte

Na madrugada desta segunda-feira, 28 de Janeiro, familiares de Francisco de Assis Oliveira, de 53 anose médicos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional, acionaram a Polícia Militar de Vilhena, comunicando o suposto furto do cadáver da vítima e o caso virou polêmica na cidade.

Acusado por uma mulher, parente de Francisco e por um médico, Nino da funerária São Matheus deu sua versão e esclareceu a realidade dos fatos. Segundo ele, uma irmã da vítima, que reside na cidade de Cacoal/RO, por nome Maria da Penha,  entrou em contato com a funerária Pax Inalice daquela cidade, para realizar o translado do corpo para Cacoal, onde ocorreria o velório e sepultamento.

Nino explicou que a confusão ocorreu porque o médico do Hospital Regional quis dar o atestado de óbito, que seria uma via amarela; mas que em casos de morte violenta, quem daria tal atestado seria a Polícia Civil e que tais trabalhos são realizados nas próprias funerárias pelo médico legista, tendo em vista que o Instituto Médico Legal da cidade não dispõe de salas de serviço de IML.

❝Vilhena, como quase todo o Estado de Rondônia não dispõe de salas de serviço de IML; então, as funerárias constroem as salas e os médicos legistas realizam seus trabalhos dentro das dependências das nossas salas de serviço funerário. Jamais alguém roubaria um corpo para se fazer o IML com a Polícia Civil! Como é que a Polícia Civil iria lá depois, sabendo que o corpo era roubado? Isso aí é só uma questão de inteligência para ver que essa denúncia aí não procede!❞ disse Nino.

O proprietário da funerária  de Cacoal, chegou a se desculpar através de um áudio ao Nino da funerária, onde afirmou que a moradora de Vilhena/RO atrapalhou-se com o que foi dito pelo médico, vindo a acionar a Polícia Militar. Com isso, Nino não quis mais atender o caso, tendo os familiares de Francisco contratado outra funerária para realização do translado do cadáver até Cacoal.

Carlos Mont Serrate/Claudemir Sabino

Rota Policial News

Facebook Comentários

Artigos Relacionados

Close