Geral

Órgão de RO cria app para ajudar no registro e combate de manchas de óleo nas praias do Brasil

Atualização do "Olhos de Águia" conta com duas funcionalidades: captura de manchas e a visualização dos pontos já capturados. Petróleo cru atinge 779 localidades e avançou do Nordeste para o Sudeste do Brasil.

Uma nova versão do aplicativo “Olhos de Águia”, que ajudou na coleta de dados sobre queimadas na Amazônia, foi desenvolvida pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM), para catalogar e coletar dados sobre as manchas de óleo que atingem as praias do Nordeste e Sudeste do Brasil.

De acordo com o Censipam, o aplicativo saiu do período de testes e começou a ser usado oficialmente no litoral do país no dia 20 de novembro. Ainda não há um levantamento sobre a quantidade de acessos até esta quinta-feira (28).

O desenvolvedor do app, Mário Fraga, disse que a plataforma cataloga e coleta dados, imagens e coordenadas geográficas sobre as manchas de óleo. Essa atualização do “Olhos de Águia” conta com basicamente duas funcionalidades: a captura de manchas e a visualização dos pontos já capturados.

“O processo de captura é simples. A pessoa marca os pontos e pode enviar fotos do local, escrever uma observação, informar se há equipe cuidando da área ou se a limpeza foi concluída. A geolocalização é obtida de forma automática, a partir do GPS do celular ou tablet”, explica Fraga, desenvolvedor.

Segundo ele, o app funciona fora da área de cobertura de internet, já que armazena, mesmo offline, as informações coletadas, e quando se conecta a internet faz a sincronização com o banco de dados do Censipam.

O aplicativo disponibiliza informações para o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), que é formado por representantes da Marinha do Brasil, da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA)

O órgão também desenvolveu uma plataforma web de acesso restrito que comporta as informações capturadas pelas equipes de campo. Nela estão mapas com marcações de pontos atingidos e relatórios com a situação das ocorrências. Essa é uma opção para ajudar as autoridades no combate às manchas, segundo o Censipam.

“A plataforma é para ajudar as “equipes de escritório”, com informações coletadas pela população”, comenta.

“Olhos de Águia” – Queimadas

 

Em setembro deste ano a equipe do Censipam desenvolveu a primeira versão do “Olhos de Águia” para ajudar na coleta de informações sobre queimadas na Amazônia. Por meio de fotos e coordenadas geográficas o app registrou novos focos de calor, principalmente em Rondônia.

Em nota divulgada pelo Ministério da Defesa, o aplicativo foi usado por agentes do Exército, Força Aérea Brasileira (FAB) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), durante ações de combate às queimadas.

Óleo no litoral

As manchas de óleo que atingem as praias do litoral brasileiro desde o dia 30 de agosto chegaram ao Sudeste no início de novembro. O óleo já atingiu 779 localidades, segundo o mais recente balanço do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), com dados até o dia 25 de novembro. No balanço anterior, divulgado um dia antes, havia 772 locais com registros de manchas.

Facebook Comentários

Google

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor nos ajude a manter o site no ar e desative seu Adblock. Agradecemos pela compreensão! :)